De onde viemos

(Em) Companhia de Mulheres- Coletivo de pesquisa teatral feminista, nasceu em 2010, na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC- PPGT), por iniciativa das mestrandas em Teatro, Priscila de Azevedo Souza Mesquita, RosiMeire da Silva e Lisa Brito e da Profª Drª Maria Brigida de Miranda, orientadora dos projetos de pesquisa e coordenadora do grupo de estudos ‘Teatro e Gênero’.

A gestação do coletivo foi neste espaço onde puderam experimentar na prática suas propostas de pesquisa de mestrado, as quais dissertaram sobre a poética, estética e a ética do teatro feminista na produção brasileira (Silva); a criação dramatúrgica coletiva com mulheres (Mesquita); o jogo teatral e a criação de cena (Brito) orientada pelo Prof. Dr. José Ronaldo Faleiro.

Atualmente o coletivo segue em atividade com as atrizes-pesquisadoras Priscila Mesquita, RosiMeire da Silva e Drica Santos (a qual ingressou no grupo em 2013), e em 2016 inicia uma colaboração com a escritora Ana Araújo para a criação da dramaturgia do novo espetáculo.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Boneca de Pano no Sesc Prainha


Estamos nos preparando para mais um apresentação do Espetáculo "Boneca de Pano". Quem ainda não viu, não perca esta oportunidade e quem já viu, convida xs amigxs.
O espetáculo, traz importantes reflexões sobre comportamentos perpetuados pela sociedade patriarcal, capitalista, imperialista, sexista,  racista, homofóbica, repressora e egoísta. 
Por meio da ludicidade que a linguagem teatral nos proporciona, buscamos uma forma leve e divertida para tocar em questões que no dia a dia não são nenhum pouco leves e muito menos divertidas. Usamos um humor muitas vezes ácido,  para não perder de vista a gravidade das situações que passam muitas mulheres, desde o tempo das cavernas. Em outros momentos, falamos sério mesmo, sem fazer graça. 
Inspiradas pela dramaturgia de Franca Rame e Dario Fo, contamos histórias fictícias, enriquecidas por nossas próprias vivências e nas vivências de outras meninas e mulheres. Realidade e ficção se confundem, se fundem e dão asas à nossa imaginação. 
Tocamos em questões muito sérias que irrompem, corrompem e interrompem a vida de muitas mulheres, mas que não se tratam só de papo de "mulherzinha". Por isso, sugerimos às mulheres que nos assistiram, ou que pretendem assitir, que levem seus parceiros, amigos, irmãos,  pais, tios, avôs, etc, para também usufruírem de um momento de fruição teatral do espectáculo Boneca de Pano, para que, juntxs possamos rever relações e comportamentos.




Esperamos vocês!

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Artigo discute o aborto a partir do espetáculo Boneca de Pano


Compartilhamos aqui o artigo Provocações para um aborto moral, escrito pelo cineasta e pesquisador Yassér Socarrás González, no qual o autor traz uma reflexão sobre o aborto a partir de uma cena do espetáculo Boneca de Pano. O artigo foi publicado em 19/08/2016 pelo Portal Catarinas - Jornalismo com perspectiva de gênero. Confiram o artigo completo no Portal Catarinas, e aproveitem para conhecer mais o trabalho deste Portal.






domingo, 9 de outubro de 2016

Entrevista na rádio MEC AM Rio

Com o objetivo de resgatar e reunir aqui no blog algumas notícias que vamos encontrando por aí que falam sobre o nosso trabalho é que realizamos mais essa pastagem. 
Em 2014, em função da nossa ação Boneca de Pano circulando na Campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres,  contemplado pelo edital Elas pelo Fim da  Violência,  promovido pelo Elas Fundo de Investimento Social e Instituto Avon, RosiMeire Silva, atriz e co-fundadora deste Coletivo concedeu uma entrevista para o Programa Planeta Lilás, da Rádio MEC AM Rio. 
Confiram no link acima a entrevista completa.


sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Entrevista no Portal Catarinas

Compartilhamos aqui a entrevista realizada pela jornalista Paula Guimarães com RosiMeire Silva, atriz, co-fundadora e produtora da (Em) Companhia de Mulheres, publicada pelo Portal Catarinas em julho de 2016, na matéria (Em) Companhia de Mulheres questiona papéis das mulheres na vida e no palco. Na entrevista, Meire conta um pouco sobre o histórico do Coletivo e do espetáculo Boneca de Pano.
Confira no link a matéria na íntegra,  e aproveitem para conhecer mais sobre o Portal Catarinas .

Catarinas







quinta-feira, 6 de outubro de 2016

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

EXATAmente Elas

Programa do espetáculo EXATAmente Elas


Em 23/09/2016, estreamos no Instituto Estadual de Educação, em Florianópolis, nossa Performance-aula EXATAmente Elas, sobre a história de mulheres cientistas que contribuíram para o desenvolvimento das ciências naturais, exatas e tecnológicas. 
Este é o terceiro espetáculo da (Em) Companhia de Mulheres, seguindo o método de criação baseado no Devised Theatre,  inteiramente criado por nós,  seguindo nossos propósitos de uma criação teatral em diálogo com a ética,  a estética e a poética de um teatro feminista. Ou melhor,  daquilo que nós entendemos por teatro feminista, pois como sabemos, existem feminismoS, no plural, portanto também devemos falar teatroS feministaS,  também no plural.

Bem, então,  neste nosso teatro feminista, durante 6 meses de incansável e prazeroso trabalho, pesquisamos a vida e a obra de diversas mulheres cientistas. Nos encantamos com o maravilhoso universo das ciências através das descobertas que essas mulheres fizeram e percebemos que este é um modo fascinante de aprender a ciência,  através  de sua história. Para nós,  que somos da área das ciências humanas, parece muito mais fácil e interessante compreender as abstrações das ciências Exatas quando conhecemos os trajetos, que levaram xs pesquisadorxs a chegarem em uma determinada descoberta. Principalmente quando essa pesquisadora é uma mulher incrível que teve que vencer inúmeros obstáculos para conseguir dar continuidade às suas investigações. 

Durante a realização desta pesquisa também fomos selecionando os materiais que seriam interessantes para a dramaturgia e com muita dificuldade selecionamos quais as cientistas que entrariam em nossa dramaturgia e procuramos um meio de colocá-las em relação em uma dramaturgia.

Assim, criamos uma viagem no tempo, na qual xs estagiárixs são conduzidos por cientistas contemporâneas,  e nessa viagem,  desembarcam em quatro estações,  onde encontram diferentes cientistas do passado e do presente, tendo a oportunidade de conhecer mais sobre suas vidas e suas descobertas. As estações são ambientadas em diferentes laboratórios da escola, de modo a estabelecer um diálogo entre o que as cientistas pesquisaram, o espaço em que sua história é contada e as suas contribuições para o que conhecemos hoje.

Em 07/10 realizaremos a última das nove apresentações no Instituto Estadual de Educação,  a maior escola da América Latina, e que foi desenhada por Oscar Niemeyer. 
Nestas apresentações tivemos como público-estagiárixs xs alunxs do segundo e do terceiro ano do Ensino Médio, professorxs, equipe técnica da escola e convidadxs vindos de fora da escola. Além disso, recebemos a visita técnica da equipe da Fundação Carlos Chagas, da equipe de comunicação do Instituto Unibanco e da mídia local.

É importante destacarmos que a realização deste projeto dentro do Instituto Estadual de Educação só está sendo possível devido ao acolhimento, confiança e suporte oferecidos pela própria instituição, e que só se concretizou pela boa vontade e engajamento da direção, professorxs e equipe técnica.  Reconhecemos que não é algo simples para uma instituição deste porte disponibilizar tantos dias, espaços e profissionais para que um projeto de arte-educação aconteça. 

Sabemos que estas apresentações são apenas o início de uma longa história, pois o retorno positivo que estamos recebendo dxs alunxs reafirma a necessidade de continuarmos com este trabalho.

Gratidão a todxs xs envolvidxs!

sábado, 2 de julho de 2016

II Diálogo Elas nas Exatas

Nos dias 27 e 28 de junho, estivemos no Rio de Janeiro para participar do II Diálogo Elas nas Exatas.
Fomos eu (Priscila Mesquita ) e Rosimeire da Silva representando a (Em) Companhia de Mulheres e Márcia Regina Leite representando o Instituto Estadual de Educação, como escola parceira nesse nosso projeto.
O evento foi promovido pelo Elas Fundo de Investimento Social, Fundação Carlos Chagas e Instituto Unibanco.
Durante os dois dias estiveram presentes as dez organizações vencedoras do prêmio Elas nas Exatas, e tivemos a oportunidade  de conhecer melhor os outros projetos e xs proponentes.
Além disso, fomos presenteadas com a fala de mulheres cientistas e ativistas feministas, as quais nos ajudaram a aprofundar o olhar sobre nosso projeto e despertaram novos pontos de vista sobre as demandas do feminismo e da participação das mulheres nas ciências Exatas.
Foi uma experiência muito gratificante e enriquecedora poder novamente participar de um evento ao lado do Elas Fundo de Investimento Social. É  muito bom ter nosso trabalho reconhecido e apoiado por importantes organizações e nos enche de orgulho estar ao lado de outras mulheres que têm desenvolvido trabalhos tão bonitos e importantes em suas comunidades.
É  importante  dizer que foi um prazer enorme reencontrar as pessoas que conhecemos em 2014 durante os Diálogos sobre a violência, bem como conhecer novas pessoas.
Gratidão é a palavra que melhor define o que sinto neste momento.
Voltamos trazendo muita energia para continuar o trabalho, a convicção de que estamos no caminho certo e a tranquilidade por saber que estamos trabalhando pelo bem.